Segunda, 25 de março de 2019
19 99746-0072
Brasil

02/01/2019 ás 06h59 - atualizada em 02/01/2019 ás 07h31

207

A Estância

Avaré / SP

Presidente da cooperativa de reciclagem rebate prefeitura
“Não estamos irregular aqui e não veio nada para assinarmos. Eu não assinei nada. Não veio nada para a gente”
Presidente da cooperativa de reciclagem rebate prefeitura

Os colaboradores que trabalham na cooperativa de Avaré (SP), que pegou fogo na manhã de sábado (29), voltaram ao local na segunda-feira (31). Os trabalhadores disseram que estão tentando ajuda pra conseguir voltar à rotina, mas acham difícil reconstruir o local.


A presidente da cooperativa, Duvina Moreira, conta que a empresas se prontificaram em ajudar os cooperados.


“A empresa já se prontificou em ajudar a gente. Não sei com o que, mas prometeram ajudar. A gente pretende arrumar para trabalhar”, diz.


O local tem 600 metros quadrados e, segundo os trabalhadores, havia material de mais de um mês de coleta. Onze pessoas trabalham na cooperativa, e a venda dos materiais estava prevista para esta segunda-feira.


Mauro Aparecido de Carvalho é coletor e conta que trabalha no local há 13 anos. Ele afirma que esperava receber pelo serviço.


A cooperativa funcionava no Bairro Vila Marin há cerca de 20 anos. Segundo a prefeitura, o local é da União e o uso estava cedido ao município, só que a licença já estava vencida.


Incêndio


De acordo com o Corpo de Bombeiros, mais de 10 bombeiros trabalharam na ocorrência para apagar as chamas do barracão, que foram contidas em cerca de duas horas.


No momento do incêndio não havia ninguém no local, e ninguém ficou ferido. Ainda conforme os bombeiros, as causas do incêndio serão investigadas. Uma máquina da prefeitura fez a limpeza da área.


Em nota, a Prefeitura de Avaré disse que o imóvel era utilizado por uma única família de forma clandestina que se negava a desocupar o espaço. O prédio é da União e havia uma cessão de uso para o município, já expirada e em processo de renovação.


A prefeitura informou ainda que há pelo menos um ano e meio tenta regularizar a utilização do prédio e que notificações para desocupação foram feitas e ignoradas. Porém, a presidente da cooperativa rebate as afirmações dizendo que eles nunca foram notificados.


“Não estamos irregular aqui e não veio nada para assinarmos. Eu não assinei nada. Não veio nada para a gente”, conta a presidente da cooperativa.


Segundo a prefeitura, várias irregularidades foram verificadas em fiscalizações realizadas, especialmente o acúmulo de material orgânico e sintético fora das normas de segurança e higiene e a ausência de dispositivos de prevenção e combate a incêndio. Além disso, problemas estruturais também foram apontados no prédio.

FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium