domingo, 22 de julho de 2018
19 99746-0072
Geral

29/06/2018 ás 13h42

797

A Estância

Avaré / SP

Acusado de matar jovem após festa vai a júri popular nesta sexta-feira em Avaré
Dominique de Oliveira Machado, de 18 anos, ficou desaparecida por oito dias e foi encontrada morta e seminua em um matagal. Suspeito foi preso dois anos após o crime registrado em março de 2013.
Acusado de matar jovem após festa vai a júri popular nesta sexta-feira em Avaré
Acusado de matar jovem Dominique vai a júri popular nesta sexta-feira, no Fórum de Avaré (Foto: Pedro Salgado/TV TEM)

rapaz acusado de matar a jovem Dominique de Oliveira Machado, em março de 2013, vai a júri popular nesta sexta-feira (29), às 10h, no Fórum de Avaré (SP). Diego do Nascimento foi preso dois anos após o crime e, na época, negou as acusações.




Segundo a polícia, Dominique morreu com pancadas na cabeça depois de ir a uma festa de rodeio junto com o suspeito e o amigo dele em Arandu. Ela morava com a família em Avaré, cidade vizinha.



De acordo com a polícia, Diego conseguiu adiar a prisão por dois anos porque teria manipulado um amigo a dar falso testemunho.




Na época da prisão, ele negou a autoria, mas o amigo que teria mentido durante as investigações confessou que o rapaz tinha matado a jovem e os dois ficaram presos.



Dominique sumiu quando voltava da festa em comemoração ao aniversário de Arandu, no dia 16 de março.




Segundo a polícia, a jovem estava acompanhada de dois amigos e foi até a festa de carona no carro de um deles. Contudo, ela teria decidido ir embora sozinha e a pé depois que eles teriam se negado ir embora.




Os amigos da vítima ainda relataram aos policiais que conversaram com ela por telefone quando ela caminhava pela Avenida Diamantino Monteiro Gama, em Avaré. Após a ligação dos amigos, a vítima não foi mais vista.




Oito dias após, ela foi encontrada morta em um terreno baldio ao lado da avenida por um morador que percebeu o mau cheiro e a presença de urubus no terreno. Segundo a Polícia Militar, Dominique estava com o maxilar deslocado e com sinais de estupro.




 



Prisão



 




Dois anos depois do crime, o suspeito foi preso pela polícia. Na época, o delegado Rubens César Garcia Jorge afirmou que o crime foi motivado por um relacionamento amoroso que ele tinha com a menina.




 


"Ela também tinha um namorado e os dois tinham um relacionamento extraconjugal. Não temos dúvidas de que ele seja o autor do crime”, afirmou na época.

 




Rubens César Garcia Jorge descreveu também, na época para a reportagem do G1, que a vítima, o amigo e o suspeito do homicídio foram à festa juntos em um carro. Em certo momento, o rapaz saiu do recinto junto com a jovem e voltou sem ela.




“Depois que voltou o rapaz tinha marcas de sangue nas mãos e arranhados nas costas, segundo o amigo dele. Inicialmente esse amigo não sabia o que tinha acontecido, só ficou sabendo dias depois. Ainda na festa os dois encontraram com um conhecido, que pediu carona a Avaré. Os três voltaram da festa e esse conhecido suspeitou do crime depois. Como ele contou o que sabia à polícia não ficou preso.”



Segundo o delegado responsável pelo caso, os dois rapazes que levaram a jovem à festa eram os principais suspeitos desde o início das investigações.




“Suspeitávamos desde que ouvimos a história de que a jovem decidiu ir sozinha e a pé para casa. Houve muitas dificuldades nas investigações porque não houve testemunhas e não houve provas materiais como imagens de câmeras de segurança".









 




FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium